Ilha Grande – out/11

Dia 19 de outubro de 2011, quarta-feira, saímos às 05:45 da manhã da cidade do Rio de Janeiro, em direção a Mangaratiba para pegar a barca para Ilha Grande. Após 110 km, chegamos em Mangaratiba às 07:15, conforme previsto. Lá existem vários estacionamentos para deixar o carro, enquanto passa os dias em Ilha Grande. Deixamos no estacionamento do Cláudio, quase em frente ao terminal das barcas (1 minuto andando). Custou R$ 10,00 a diária (estacionamento descoberto). O preço da passagem das barcas foi R$ 6,35 (de segunda a quinta). Há saídas para Ilha Grande de Mangaratiba, Angra dos Reis e Conceição de Jacareí. Os preços variam de acordo com o lugar. Para mais detalhes, ver a tabela de preços e horários no site: Horários e Tarifas para Ilha Grande

Após uma hora e meia de viagem de barca, chegamos à ilha por volta de 09:30 com um tempo nublado, porém sem chuva. Fomos até a pousada, deixamos as malas lá e saímos pra rua. Fomos pegar informações sobre os passeios de barco e caminhar um pouco em Abraão (como se fosse a capital da ilha).

Ilha Grande pertence ao município de Angra dos Reis, que foi descoberto no dia 6 de janeiro (dia de reis). Por isso a palavra “reis” no nome. Lá existem inúmeros passeios de barco, como volta a ilha, meia volta, Lagoa Azul, Lagoa Verde, Gruta de Acaiá, Lopes Mendes…

Existem várias trilhas também. Detalhes em: Trilhas na Ilha Grande

Nesse resto de dia nublado, fizemos uma trilhazinha básica, fazendo o T1 (Circuito do Abraão): uma caminhada bem tranquila que mostra parte histórica da ilha. Existem dois mirantes, um aqueduto, uma mini-mini-cachoeira e um antigo presídio (que já foi hospital e onde deixavam os doentes em quarentena). Além da praia preta e praia do galego.

Após esse belo passeio por 1 hora mais ou menos, fomos almoçar. Depois retornamos a pousada para descansar um pouco.

Dia 20, resolvemos fazer o passeio de barco até a Gruta do Acaiá, visitando também, Lagoa Verde, Araçatiba e Japariz. Primeira parada foi a Lagoa Verde, um bom lugar para fazer snorkeling com variedades de peixe e corais. Em seguida, Gruta do Acaiá, onde você entra esprimido e lá dentro (onde não é possível ficar em pé) é possível ver a entrada da claridade pela água através de uma fenda. Um contraste fantástico com a escuridão da gruta. Araçatiba não tem nada demais e Japariz é o ponto para almoço.

Dia 21, fizemos o tão sonhado Pico do Papagaio (T13), que é o segundo ponto mais alto da ilha com 982 metros. O ponto mais alto é a Pedra D´agua, mas o acesso é muito difícil e não há trilha aberta para lá. Contratamos um ótimo guia (Guia Paes), que é um verdadeiro conhecedor das trilhas e das histórias da ilha. Se quer fazer a volta a ilha ou o pico do papagaio, entre em contato com ele. O passeio vai ser muito bom com toda a certeza. Se quiserem seu telefone, mandem-nos um e-mail.

Bom, iniciamos a empreitada às 09:30 da manhã, em Abraão, onde encontramos o Paes. A caminhada para o Papagaio é pesada com uma subida bem íngrime: afinal vai de 0 a 982 metros em 6km. Os primeiros 30 minutos é uma subida leve por um caminho aberto (não é trilha. É o mesmo caminho para Dois Rios – T14). À direita inicia-se a trilha: subida forte no começo, parada de 10 minutos para reabastecimento de água, subida mais ou menos, mais um pouco de subida forte, um pouco de plano. A esta altura, chega-se a base do pico. Enfim, a última subida forte até o cume. Foram 02:50 hrs de trilha, totalizando 03:20 hrs desde Abraão. Assim, antes das 13 hras chegamos ao cume e tivemos a recompensa. Que visual !! E o tempo ajudou muito: Angra dos Reis, baía da ilha grande, restinga de marambaia e até a Pedra da Gávea, no Rio, conseguimos ver. Indescritível. Sem palavras.

Para mais fotos desta trilha, acessar o álbum em: Fotos do Pico do Papagaio

Após cerca de 1 hora e 40 lá em cima, começamos a descida. Foram 02:20 até o fim da trilha e mais 20 minutos até Abraão. Que dia! Maravilhoso!

Dia 22, decidimos ir a Lopes Mendes, onde estava tendo um campeonato de surf. Pegamos a trilha T10, que vai de Abraão a Palmas (cerca de 01:20 – subida forte e descida até a praia) e depois até Pouso (01:00 mais ou menos de subida leve e descida). Levamos 02:20 até Pouso e depois mais 20 minutos atravessando até Lopes Mendes (T11). Lopes Mendes é uma praia bonita e que vale a pena desfrutar algum tempo nela. A volta foi feita de barco, com um mar que batia bem, chegando a dar impressão que o barco viraria.

Dia 23 e último dia na ilha, fomos até a Cachoeira da Feiticeira (parte da T2). Levamos 50 minutos do início da trilha até a cachoeira e depois mais 15 minutos até a praia de mesmo nome. Trilha fácil com um banho geladinho renovador. Logo no início vimos uma cobra fugindo pra dentro da mata. Dizem que na ilha existem muitas cobras. Por isso não é bom andar de chinelo nas trilhas e estar sempre alerta. Mas com cuidado vale a pena desfrutar da natureza. Após um banho na praia da feiticeira, regresso de barco.

Fizemos o check-out e pegamos a barca das 17:30 até Mangaratiba.

Às 19 horas pegamos o Blacktonas (que estava do jeito que deixamos no estacionamento do Claudio) e pé na estrada. Mais 110km em 1 hora e meia e estávamos novamente em casa.

Dos passeios que não fizemos, achamos que vale a pena ainda:

– Passeio de Volta a Ilha de barco (que não foi possível ser feito devido ao mar agitado);
– Volta a Ilha a Pé (mas é necessário pelo menos 1 semana na ilha);
– Trilha até Dois Rios e Caxadaço (T14 e T15);
– Lagoa Azul.

Voltar para VIAGENS

2 respostas a Ilha Grande – out/11

  1. Sensacional, gostei muito, parabéns!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s